fbpx
Eduardo Baptista Vieira

Eduardo Baptista Vieira

Project Manager

Se em vez do Teste MARIANA, fizéssemos o Teste AIDA?

Eduardo Baptista Vieira

Eduardo Baptista Vieira

Project Manager

Recentemente, a maioria das pessoas viveu o chamado Teste Mariana. Para os mais distraídos, este foi um fenómeno nacional, provocado por um simples erro de notificações push, cometido pelo Continente. Foram enviadas milhares de notificações por engano, o que gerou muita conversa em torno deste assunto, oferecendo às grandes marcas, especialistas em Marketing de oportunidade, um conteúdo muito proveitoso. A melhor parte aconteceu quando o Continente assumiu o erro e os seus próprios especialistas aproveitaram o tema a seu favor. Desta forma, posteriormente, um grande número de empresas explorou o assunto, quase como se estivessem a competir pelo prémio: “Empresa engraçada do ano” (opinião pessoal).

O conflito do foco

Será que o facto de algumas marcas explorarem o tema, fez com que centenas delas o fizessem também? Eu acredito que sim. Está comprovado que estratégias de Marketing de oportunidade, quando bem executadas, trazem resultados benéficos para as marcas no que toca ao comportamento do consumidor, conseguindo, desta forma, captar a sua atenção. No entanto, para lhe acrescentar valor e, por consequência, aumentar o volume de vendas, é considerado necessário realizar mais do que isso.

Será que a sua empresa já refletiu que, para além de utilizar Testes MARIANA, podia aplicar o Teste ao Modelo AIDA? Como conversamos anteriormente, os Testes Mariana são focados para captar a Atenção dos utilizadores, o que corresponde ao primeiro A do Modelo AIDA. Onde está o “IDA”, nesta estratégia?

Modelo AIDA

Este modelo descreve que existem quatro fases que o consumidor em geral tem de passar até tomar a decisão de efetuar uma compra. A sigla representa os conceitos: Atenção, Interesse, Desejo e Ação. Durante este processo, idealmente, o seu conteúdo será capaz de chamar à atenção para a sua marca, de gerar interesse nos seus produtos ou serviços, de estimular o desejo de os obter e de incentivar a ação de os comprar.

Assim sendo, o modelo é utilizado para determinar o caminho que deve ser seguido e para distribuir a mensagem que se pretende transmitir, consoante a fase em que os seus potenciais clientes estão. Para além disso, funciona como um funil de vendas, ou seja, os potenciais clientes têm de cumprir cada etapa para tomarem a decisão de compra.

De maneira a ser mais compreensível, vamos ver como podemos comunicar em cada fase e quais os seus principais objetivos:

A – Atenção

Se o seu conteúdo conseguir captar a atenção e envolver as pessoas com a sua marca, será possível que o seu público-alvo fique curioso sobre o que a sua empresa faz na realidade. O objetivo aqui passa por o público se questionar: “O que é que esta empresa faz?” Para o aplicar, terá, inicialmente, de fazer chegar a sua mensagem ao público que é pretendido.

I – Interesse

Assim que o público-alvo estiver interessado nas atividades da sua empresa, ele vai procurar saber mais sobre ela e sobre os benefícios que lhe pode trazer. Nesta fase, o objetivo passa por levar o possível cliente a gostar da sua marca. O conteúdo deve ser persuasivo e envolvente. Enquanto na primeira fase capta a atenção, nesta o objetivo é mantê-la.

D – Desejo

As duas fases anteriores tornam possível que o seu público-alvo conheça e goste da sua marca. O objetivo na etapa do desejo passa por transformar a vontade do possível cliente, passando do “eu gosto” para um “eu quero”. O conteúdo deve ser consistente e transmitir confiança. A ideia é estimular o público a interagir, a subscrever e a obter ofertas que tenha para lhes entregar.

A – Ação

Após gerar desejo suficiente para o seu produto ou serviço, tem de encorajar a ação do potencial cliente. Se tem intenções de que adquira o que tem para lhe oferecer, tem de o encaminhar para isso, para tomar a decisão. Aqui, a mensagem deve ser clara e, frequentemente, revelar escassez da oportunidade que podem estar a perder naquele preciso momento.

Moral da história

Não se foque apenas no “A” (Atenção), só porque todos os que estão à sua volta o estão a fazer. É imperativo dar o próximo passo, se tem intenções de vender mais, claro. Continue a efetuar muitos Testes MARIANA, mas foque-se sempre no AIDA.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Outros artigos

Fique a par das nossas novidades

Subscreva a nossa newsletter.

Não perca um artigo!

Subscreva a nossa newsletter.

Cookies feitas com carinho!

Os cookies proporcionam uma navegação mais rápida e eficiente, eliminando a necessidade de introduzir repetidamente as mesmas informações.
Eles permitem melhorar o desempenho e a experiência de navegação.

Política de Privacidade  Aceita as nossas cookies?

Política de Privacidade

Aceita as nossas cookies? 

Política de Privacidade   Aceita as nossas cookies?